16 de outubro de 2013

da passagem do tempo


Quando pensamos em ter árvores de fruto que nos possam presentear durante a maior parte do ano vejo que é tarefa árdua. Os figos vieram no inicio de Setembro e nem ao fim dele chegaram, pelas chuvas que vieram; os dióspiros (a árvore também é pequenina) foi questão de dias, com boa vontade umas duas semanas. E agora? O que se segue?

Ah, mas tenho uma boa novidade. Arranjei maçãs Riscadinha de Setúbal, de cultura verdadeiramente biológica, isto é, o quase total abandono. No próximo ano vou experimentar plantar porque destas árvores semente que cai ao chão faz-se árvore também. Isto dito pelo arrendatário do terreno.

Já não sei se o tempo passa rápido ou se sou eu que ando distraída.

(♥) Paula

2 comentários :

Eugenia Do Vale disse...

O tempo passa num instante.
Temos que o aproveitar bem, cada minuto é uma vida.
Quando somos crianças muito activas parece que o tempo pára....
Beijinho

Anónimo disse...


dúvido q a macieira propague as mesmas características do fruto por semente, mas boa sorte. as riscadinhas eram as minhas favoritas mas desapareceram praticamente do mercado: são mto sazonais e de prazo de conservação curto, logo nao interessam aos kontinentes